Subversa

Todos os valores, valor nenhum | Luis Gustavo Cardoso (Joinville, SC).


Voltei da rua com as mãos vazias e em casa ninguém me esperava.

Todas as coisas que juntei no caminho, não pude carregá-las porque eram várias e pesadas.

As medalhas que me deram de fato eram de bronze, de ouro, de prata.

E não percebi muito bem o que diziam quando pediram meu pescoço para colocá-las.

 

A alguns afetos sufoquei, com as mãos atadas.

Outros tantos perdi na poeira das horas que os distanciava.

E na passagem do tempo derreti minhas asas.

Imaginei que o sol fosse mais quente.

E no entanto ele é frio, como a outra face da lua.

 

Tantas vezes pensei em saltar do caminho ao largo de onde tantas almas se precipitam.

E muitas vezes os anjos cortaram os céus desejando conduzir-me a destinos distintos.

Entrei em muitos museus e saí com os olhos ainda mais carregados.

Recontei muitas vezes os minutos da noite.

E senti sobretudo frio e medo.

 

Agora volto e a casa está vazia e não sei bem se posso chamá-la de casa.

É verdade que as ruas também estão vazias.

As praças, opacas.

Os córregos da minha cidade já não soam a córregos.

E a água que neles corre é tíbia, é turva.

 

Li tantos livros e faltam-me palavras.

Ouvi tantos sons e não reconheço o silêncio que preenche agora as valas.

Pessoa alguma disse que poria uma bomba ao destino.

Eu vim depois da bomba: muda, estática.

 

Hei de sentar-me no chão e tirar os sapatos apertados.

Mais nada.


LUIS GUSTAVO CARDOSO | escritor, músico e professor. Bacharel em Direito, Mestre em Direito e Sociologia e doutorando em Direito, atua como professor universitário e pesquisador. Em sua dissertação de mestrado, escreveu sobre mitos e narrativas do cancioneiro popular. Em 2017 lançou seu primeiro livro de poemas intitulado “Noite Grande” pela Editora Areia.

Sobre o Autor

2 Comentários

  1. Monsieur le bouc 2 de Maio de 2018 em 14:43

    Que vazio tristonho, de um citadino assustado…Suave melancolia para a qual os ritos seguem assimbolicamente…Mas há uma chispa de emoção, “os sapatos apertam”! Muito concreta e contemporânea sua criação. Bjo

    • Luis Gustavo Cardoso 3 de Maio de 2018 em 00:34

      Obrigado, amigo! Um grande abraço

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367